[Artigo] 10 verdades sobre ser concurseiro que nunca lhe disseram

Olá, concurseiro. Você começou a estudar para as provas agora ou já está nessa jornada há algum tempo e ainda tem dúvidas sobre o que está fazendo? Em algum momento você já se deparou com a pergunta: “será que ser concurseiro é mesmo para mim?”. Bem, para responder essa questão é preciso, primeiro, saber o que significa ser um concurseiro, não é?

Para lhe ajudar e para sair da caixinha de tudo quanto é coisa que você acha por essa internet a fora, trago aqui, 10 verdades sobre ser concurseiros que (é bem provável) nunca lhe disseram:

1 – Você não quer ser aprovado para ter um bom salário e estabilidade

O discurso é um, mas a motivação (entende-se: motivo para ação) é outra! Os salários e a estabilidade são coisas boas, só que, na verdade, o que você quer são os benefícios que esses e outros itens trarão para sua vida: aí o significado é só seu!

Então, pare de dizer que você faz concurso para passar na prova. Isso nunca vai lhe fazer ser um servidor público e, muito menos um concurseiro eficiente.

Concurso é um rito de passagem, você se submete ao processo em função do cargo (se seu foco é a carreira), para conquistar bens materiais e imateriais (tranquilidade, segurança…) que ocupar esse cargo irão lhe proporcionar.

2 – Sofrer para estudar é opcional, não regra

A cultura de que não há conquista sem sofrimento é uma grande bobagem. Se você tiver em mente seu objetivo bem definido e alinhado com seu propósito de vida – mesmo que o cargo que quer neste momento seja só uma etapa do todo – você dificilmente irá sofrer como defendem que é preciso. Quero acreditar que ninguém lhe obrigou a ser concurseiro, certo?

Gerenciar suas emoções – sua possível dor, sua ansiedade – é a melhor maneira de canalizar energia para o que realmente importa: aprender os conteúdos que vão cair na prova.

Então, pare de bancar o coitadinho ou a vítima. Esforço é necessário, mas sofrimento é opcional. Você fez uma escolha e nem tudo serão flores, mas, no fim, valerá a pena. Nada de ficar reclamando pelos cantos ou nas redes sociais.

3 – Você não precisa comprar tudo o que vê pela frente

Ter montanhas de materiais ao seu redor não lhe fará ser um concurseiro aprovado. Ou ainda melhor: comprar tudo o que vê pela frente de materiais e soluções não vai lhe dar a segurança que você está procurando. Sabe o que vai resolver essa sua dor? Planejamento e Autoconhecimento.

Invista no que irá usar imediatamente, avalie tudo o que já tem antes de tirar um centavo sequer da carteira. Invista em fontes de qualidade para cada conteúdo, mesmo que sejam mais caras.  Invista no que lhe trará maior capacidade de gestão do conhecimento, das energias e do seu autoconhecimento.

E, aqui vai outra crença: a de gastar ou investir. Você só investe se há um retorno proporcional ou maior do que o valor empregado, do contrário, você está gastando. O que não vale só para os materiais das disciplinas, mas também para tudo o que lhe ajudará nesse processo, inclusive a contratação de uma coach, como eu ;-). Caro ou barato, depende do retorno que você tem.

4 – Você deve ajustar o concurso a sua vida e não sua vida ao concurso

Outra grande bobagem que lhe dizem é que você precisa parar tudo o que faz na vida para estudar – está lá no mesmo rol do sofrimento. Dizem que você não pode sair, não pode ter tempo para família, deve abandonar os amigos… Dói só de pensar nisso, né?

Então, respire fundo: é mentira. Se preparar para concursos públicos, ser um concurseiro, é só uma parte da sua vida e não ela toda. Você terá que fazer negociações a que pode não estar acostumado por um tempo, mas nem por isso deve deixar de ter seus momentos de lazer, sua atividade física, um tempo para se cuidar, ficar com a família e amigos.

Pode não ser a mesma quantidade de horas, mas, com planejamento – olha ele aqui de novo – você terá como gerenciar tudo isso e não virar uma bomba-relógio esquizofrênica. Sem contar que, os momentos de lazer e de convívio social são excelentes para manter a sanidade mental, ne?

5 – Você é quem está sob o controle da sua preparação

Se o seu foco está no dia da aprovação, você está fadado a ter uma ansiedade tão grande que este dia nunca chegará, concurseiro. Por outro lado, imaginar o dia da sua nomeação (sabe, aquele de assinar o termo de posse) é uma arma poderosa de motivação.

Porém, pensar só nela, vivendo no futuro e não no presente, é outra garantia para que exista um atraso para a cena se tornar real. Crie metas semanais de estudo pensando na qualidade do que estudou e não nas horas sentado na cadeira. Tenha certeza de que aprendeu o conteúdo e não que o relógio passou, contabilizando horas líquidas.

Como fazer isso? Tenha uma planilha de controle de resultados, que só vai existir de você cumpriu a primeira parte, a de planejamento. Ela pode até ter as horas de dedicação, mas o principal é o quanto você aproveitou, quantas questões é capaz de acertar com o que aprendeu.

6 – O tempo é seu aliado e não inimigo

Coisa linda essa história de falar que não tem tempo para nada… #sqn. Quem não tem tempo para o que precisa fazer é desorganizado, sem planejamento e não um projeto de sucesso. Ser produtivo não é estar ocupado, concurseiro. É fazer tudo o que precisa com tranquilidade, sem desespero ou afobamento.

Então, respire. Respire de novo, só para ter certeza. Se antecipe ao edital. Não caia na bobagem de só começar a estudar com edital na praça, nem sequer espere a autorização.

Identifique as matérias básicas do cargo que deseja e vá estudando. Você querendo ou não vai levar alguns meses para aprender o conteúdo mesmo…

E tem mais uma coisa: não tem uma só pessoa capaz de responder à famosa pergunta “quanto tempo preciso para passar em um concurso tal?”. Quem se dispuser a fazer isso está iludindo você. Sabe por quê? Porque depende da sua bagagem sobre os assuntos cobrados, seu tempo disponível para estudar, sua disposição e determinação para fazer isso e ainda de fatores externos, como a publicação do edital e a data da prova.

Pare de perguntar quando vai passar e mude a pergunta para quando estará preparado e competitivo.

7 – Você é muito mais inteligente do que imagina

Você acha que concurso é para gênio? Não mesmo.

Todos aqueles que querem de verdade, que estão levando a vida de ser concurseiro a sério têm a capacidade de aprender o que é necessário para ser aprovado em uma prova de concurso. Como sei disso? Porque já vi pessoas consideradas medianas na escola ocupando cargos iguaizinhos àqueles dos que eram os primeiros da sala.

Se é seu caso, se seu boletim nem foi lá essas coisas, pode até ser que leve mais tempo do que gostaria e que seu esforço precise ser um pouco maior. Para encurtar esse caminho, você começou bem, lendo esse artigo, e tem armas poderosas nas mãos que pode usar: um bom planejamento, um bom controle de resultado e a mais extraordinária delas: a motivação (a razão pela qual você, concurseiro, está fazendo o que está fazendo).

Volte seus olhos para si mesmo, conecte-se, verifique os recursos de que precisa para superar seus pontos fracos. São dezenas de milhares de vagas todos os anos. Escolha a sua e corra atrás.

8 – A melhor receita de aprovação é a sua

As histórias de sucesso de quem já é servidor público são mesmo inspiradoras, não é mesmo? Dá até uma vontade enorme de fazer exatamente o que aquela pessoa fez, seguir todos os passos para ter o mesmo resultado. Só há uma dificuldade nisso: você não é ela e ela não é você…

O método que ela usou pode até ser útil para sua estratégia, mas necessariamente precisa ser modelada ao invés de copiada. Se você é daqueles concurseiros que, a cada novo depoimento, a cada dica, muda de estratégia, então precisamos conversar seriamente.

A imagem que as pessoas a sua volta verão é a de um cachorro correndo atrás do rabo e fazendo um buraco abaixo de si mesmo. Se isso não combina com você, então pare de repetir os outros, de copiar os outros e tire proveito adaptando, modelando para sua realidade cada ideia. Entenda: há o seu jeito de aprender, sua bagagem de aprendizagem e sua expertise, não as jogue no lixo.

Agora, se você não sabe se até aqui está no caminho certo e está frustrado com seus resultados, vamos agendar sua Sessão de Alinhamento para lhe colocar de volta ao eixo. Saiba mais aqui.

9 – O verdadeiro valor da sua aprovação pertence a você e a mais ninguém

Você não tem apoio em casa, seus amigos não entendem por que você quer ser servidor público? Ok, você tem um problema, mas ele é bem menor do que imagina. Converse com quem está em casa, tente explicar que o fato deles não atrapalharem já é ótimo! Se puderem fazer mais alguma coisa, excelente.

Quanto aos amigos, tente explicar, mas não gaste energia demais se justificando. O maior interessado na sua aprovação é você, concurseiro. É a você que toda verdade tem que ser dita todos os dias e também será você quem irá sentir todo o valor da aprovação. Ônus e bônus e, nessas horas, mostrar resultado fala muito mais do que usando palavras…

10 – Estudar para qualquer concurso não serve

Existe uma lenda no universo de concursos que você com certeza já ouviu: “não importa o concurso, o que importa é passar”.

Não tem mentira maior. Eu tenho birra, urgicária, um verdadeiro ataque quando ouço essa frase e quando vejo concurseiro fazendo isso. Oh vontade de desperdiçar a vida!

Mudar de foco a cada edital que sai é um tiro no pé! Tentar se preparar para mais um estilo de cargo, também! As disciplinas cobradas em cada área e grupo de cargos são diferentes e também dependem da banca.

Se seguir esse caminho, vai acumular um monte de conteúdos e multiplicá-lo pelos editais que parecem interessantes. Resultado: nunca estará preparado de verdade, nunca será competitivo. E ainda vai ser um concurseiro bem estressado.

Conclusão: qualquer concurso não ser, ok? Fim de papo.

Defina um cargo ou uma área de interesse e se dedique,se comprometa. Descubra as bancas comuns que realizam essas provas, as matérias comuns e confira as específicas. E, entenda de uma vez por todas: nem toda chance é oportunidade. 😉

E você, o que acha sobre essas verdades? Alguma lhe surpreendeu? Alguma você discorda? Dê sua opinião nos comentários.